segunda-feira, 1 de novembro de 2010

HOMENAGEM NA SATC - CARTILHA EDUCAÇÃO AMBIENTAL




CARTILHA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL - MANUAL DO PROFESSOR

INTRODUÇÃO DA CARTILHA DO PROFESSOR - ANO 2000


A escola através de todos os seus componentes, é parte integrante da sociedade e co-responsável pela sua transformação. Portanto, a escola deve desenvolver estudos referentes às questões ambientais, não somente com o levantamento e estudo da problemática ambiental local e global, mas também na busca de mecanismos que permitem nela atuar.

A principal função da Educação Ambiental é contribuir para a formação de cidadãos conscientes e críticos, capazes de decidirem e atuarem na realidade sócio-ambiental de modo comprometido com a vida, com o bem-estar de cada um e da sociedade, esta assume a dimensão, atingindo praticamente todas as áreas do currículo, podendo ser entendida como sinônimo do que se entende, hoje, por educação escolar.

A Educação ambiental é um dos Temas Transversais dos Parâmetros Curriculares Nacionais, e que tem como objetivo respeitar as diversidades regionais, culturais e políticas existentes no país, com a finalidade de permitir aos alunos o acesso ao conjunto de conhecimentos socialmente elaborados e reconhecidos como necessário ao exercício da cidadania.

A Proposta Curricular de Santa Catarina trás a Educação Ambiental como um Tema Multidisciplinar, com a finalidade de sensibilizar os educadores e alunos da importância de uma capacitação que lhes possibilitem a vivenciada educação ambiental no cotidiano do seu fazer pedagógico.

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB, (Lei nº9.394/96) em seu Art. 32 afirma: “ O Ensino Fundamental terá por objetivo a formação básica do cidadão, dentre outros elementos, mediante II- a compreensão do ambiente natural e social, do sistema político, da tecnologia, das artes e dos valores em que se encontra a sociedade”.

A Lei nº9.795/99 que institui a Política Nacional de Educação Ambiental estabelece em seu Art. 2º, que “ a Educação Ambiental é um componente essencial e permanente da Educação Nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não formal”.

As referidas leis e propostas de currículos afirmam que a Educação Ambiental não deve ser implantada como disciplina específica do currículo de ensino, mas enfatizam da necessidade da integração da educação ambiental em todas as disciplinas escolares.

O trabalho pedagógico com a questão ambiental centra-se no desenvolvimento de atitudes, valores e posturas éticas e também no domínio de procedimentos mais do que na aprendizagem escrita de conceitos.

Através desta cartilha, cada professor poderá contribuir decisivamente para a formação de valores tais como: cooperação, solidariedade, respeito mútuo, responsabilidade individual e social, participação, comprometimento e coletividade, formando assim, seres humanos críticos, com espírito ecológico e conscientes de sua cidadania, garantindo assim, a harmonia e o futuro da humanidade.

DIA DO PROFESSOR

A EDUCAÇÃO NÃO É UMA ENCRENCA

Publicado no Blog http://atpntessc.blogspot.com/

Rosilda Mara Rodrigues Moroso (Sissa) – Assistente Técnico Pedagógico

No dia 15 de outubro, como todo ano, as escolas comemoraram o Dia do Professor. Este dia vai ser festivo, vai ter bolo, balão e muitos cartões para os queridos professores. Pode ser que tenha esta festa mesmo, mas pode ser que tenha somente “uma folga” e pode ser que não tenha nada e que este dia, passe em branco, como outro qualquer. Este profissional que forma todas as outras profissões, muitas vezes é esquecido na escola, na família e na sociedade.

Toda profissão técnica passa necessariamente pelas mãos dos professores, temos professores que formam outros professores, professores que formam os médicos, os engenheiros, o carteiro e até o gari que foi pra escola um dia. Temos muitos analfabetos e semi-alfabetizados também neste país, mas esta situação é de questão sócio-econômica ou política.

Com a democracia, as leis para a educação de qualidade surgiram e consequentemente a valorização dos profissionais da educação. Com a nova LDB, surgiram propostas de mudanças nos caminhos da escola pública, para auxiliar na educação das crianças e jovens. E os professores continuam fazendo a sua parte de educador//mediador/psicólogo às vezes, um pouco pai, um pouco mãe e tia/tio muito pouco, nos dias atuais.

Com o Ensino Fundamental de oito anos para nove anos, a escola ainda está no “andar da carruagem, ajeitando as melancias”, pelo menos nas escolas estaduais. Outro dia, ouvindo um programa de rádio, escutei um prefeito da região, dizendo que se tivesse que assumir os alunos da escola estadual, teria que pegar mais esta “encrenca” para prefeitura. Enquanto, políticos acharem que a “Educação é uma encrenca” teremos muitos problemas na sociedade.

Os professores devem fazer o seu trabalho pedagógico, independentemente de qual político ou partido estiver de ‘plantão’, pois a função do professor é de formar os cidadãos conscientes com conhecimento científico, para a sociedade que eles vão viver no futuro. A escola tem a função social de favorecer a construção de projetos de vida, sendo um espaço de participação, realização e criação, e não de fracasso ou exclusão.

Como disse Paulo Freire, “A educação não muda o mundo, a educação muda às pessoas. E as pessoas mudam o mundo”. Talvez seja por isto que alguns políticos acham que a educação é uma encrenca, pois se as pessoas forem mais instruídas, através da escola e de seus professores, teremos cidadãos que pensam e “educação com pensar” preocupa alguns. E não precisa de muita tecnologia, material didático ou “giz e cuspe”, basta termos professores comprometidos com a educação de qualidade, sabedores da sua capacidade de mudança na sociedade.